quinta-feira, 22 de março de 2007

Folhas amarelas


Quero minhas impressões
sobre as coisas desse mundo
perpetuadas em folhas amarelas...

Quero falar
da luz
do sol,
da lua,
da lamparina;

da cor
do tucano,
do golfinho,
do leopardo
da ave de rapina;

da montanha
indígena
escondida
por detrás
da neblina;

da serra
onipotente
que emoldura
as cachoeira
cristalina;

do rio
que circunda
o povoado
e que esconde
a turmalina;

Ah, isso sim seria a glória!
Porque feliz é a alma
que registra suas lembranças
em outro lugar que não seja na memória;
feliz é
quem transforma
tudo o que vê em história.


Nicole Rodrigues

segunda-feira, 19 de março de 2007

Dosar é dose



Dosar é dose!
Dosar o gole,
dosar o porre,
dosar o gozo...

Não sei dosar
e nem quero aprender.
Até quis tentar,
mas foi inútil querer.

Quer viver você também?
Então aceite um conselho:
esqueça a dose, vire o copo,
fique de porre e goze!


Nicole Rodrigues


Eterna mente minha



Agora vivo a me perguntar:
por que ainda escrevo sobre você
se o que mais quero é te esquecer?

Acumulo textos avulsos,
escritos por impulso;
escrevo um após o outro...

São as marcas, os vestígios,
do que de ti em mim restou;
são os testemunhos, os registros
do meu grito iminente de dor.
 

Nicole Rodrigues

Susan


- E como eu seria?

- Ah, você seria linda, linda... Teria os olhos azuis e o queixo quadrado do seu pai, e de mim herdaria a boca carnuda e os cabelos escuros.

- Humm... gostei! E o quê que tá faltando pra eu nascer, mamãe?

- Falta o seu pai, meu bem.

- Você não o encontrou ainda?

- Encontrei...a

- Então por que eu ainda não nasci?

- Porque eu e seu pai estamos separados, querida.

- E vocês não vão fazer as pazes?

- Eu espero que sim.

- Ele está bravo com você?

- Não, ele não está bravo comigo.

- Ah! É você quem está brava com ele, né?

- Não, também não. Nenhum de nós está bravo. Apenas não estamos juntos agora...

- Então por que você não arruma um outro pai pra mim?

- Porque você só nascerá se ele for o pai. Só ele me daria a força que eu preciso para carregá-la dentro de mim.

- Essa força é o tal do amor que os adultos vivem falando?

- É. É exatamente disso que eu estou falando. Do amor.

- Para ter um neném todo mundo tem que ter amor?

- Não. Infelizmente não, minha pequenina. Muitas pessoas não têm amor, mas têm coragem. Eu não tenho coragem de te trazer ao mundo sem te dar um bom pai. Mas existe uma pessoa que pode me ajudar com isso. E é ele que eu quero que seja o seu pai, entendeu?

- Entendi... A gente não pode ligar pra ele agora e pedir pra ele ser meu pai logo?

- Eu garanto que ele quer ser seu pai tanto quanto eu quero ser sua mãe. Mas ele também tem medo. Ele quer muito ter você por perto, mas nós precisamos resolver umas coisinhas antes.

- Xiii... Vai demorar para eu nascer, né?

- Pode ser que demore um pouquinho sim, me desculpe. Prometo que farei todo o possível para mudar isso. E logo, logo estaremos prontos para te receber.

- Você o ama?

- Muito.

- Ele te ama?

- Muito.

Ela sorriu. Um sorriso maroto, meigo. O olhar tão doce... Então observei sua imagem esvaecer dando lugar a pontinhos de luzes brancas e azuis. Quando não mais podia vê-la, ainda pude ouvi-la dizer:

- Então eu espero, mamãe... Eu espero.


Acordei.


E porque ainda podia senti-la por perto, peguei papel e caneta e me pus a escrever:


“Querida Susan,
minha linda pequenina,
que bom sonhar com você!
Esse bilhetinho é a prova de que te vi,
de que acredito na sua existência
e do quanto te quero.
Torça por mim e por seu pai e não tenha pressa,
garanto que não esquecerei minha promessa”.

Ass: Mamãe.



Nicole Rodrigues

domingo, 18 de março de 2007

A flor lilás do nosso amor

De todos o poemas escritos por mim até hoje, esse é o meu favorito. E é favorito por muitas razões, mas principalmente por ter sido inspirado em quem me inspirou a escrever a minha primeira centena de poemas.

Se ao menos você pudesse ficar...
Ficar até o filme acabar,
o dia amanhecer,
e a lua de novo aparecer;

se ao menos você pudesse ficar...
Só até o padre chegar,
a lua de mel acabar,
e a criança nascer;

se ao menos você pudesse ficar...
Para ver a pequenina crescer,
a flor lilás do nosso jardim florescer,
e a casa de netos se encher;

se ao menos você pudesse ficar...
Ficar até meu corpo padecer,
até meu rosto envelhecer,
só para me dizer todos os dias: “como eu amo você”.


Nicole Rodrigues