domingo, 18 de maio de 2008

Serenata


Se um dia eu tiver asas,
voarei até o chão. Se for preciso rastejar, eu rastejo.
Mas não em tua direção.

Para você quero desfilar.

Porta bandeira, baiana,
passista em alegoria- quero te encher de alegria!

Não quero serenata,

luau, festejo nem cortejo…
Sei que coração de mãe não tem seguro, mas quero te matar de orgulho.

Nicole Rodrigues

Ondas II


A dor vem em ondas:
quando uma não derruba,
logo vem a outra.


Nicole Rodrigues

sábado, 17 de maio de 2008

À mercê da Mercedez




Mercedez é o nome da moça
que beijou os lábios do anjo Daniel.
O anjo lindo de olhinhos verdes
- pedacinho de céu!

Mercedez do sorriso desalinhado,
cabelo picotado,
olhar de moleca e jeitinho sapeca...

Mercedez não deu valor ao achado:
nunca disse ao anjo o quanto ele era amado,
e quando não mais o queria esqueceu de dizer:
“Está tudo acabado”.

Mercedez fez tudo errado.
E o anjo, coitado, sem asas nem auréola,
foi obrigado a fugir para bem longe dela.

Nicole Rodrigues

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Sufoco



O menino atrevido
torce o rabo
do porco
“Ronc,
ronc,
ronc”

- que sufoco!

Nicole Rodrigues

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Homeless


Quando não se tem onde morar,
ganha-se ou perde-se o direito de ir e vir?


Nicole Rodrigues

Inesperada pureza


Com você provei da pureza
que pensei não mais existir
em xicaras de chá
com elefantes coloridos
e ursinhos musicistas que cantam:
“Lá-lá-lá-lá”.
Nicole Rodrigues

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Conta-gotas


Não aceito mais migalhas.
Agora quero tudo por inteiro:
abraços apertados e beijos molhados
de dezembro a janeiro.

Quero um lorde,
um sultão,
e um Don Juan de estimação.

Quero cartas, bilhetes,
orquídeas,
e confetes
.
Nada de esmolas,
nada de metades;
o conta-gotas se quebrou
.

Cunversê


A Goreth disse
que a saia da Roseli
é igualzinha à minha,
que o padre andou de cunversê
com a filha da vizinha,
que o Mauro saiu da quitanda
com o bolso cheio de jujuba,
que o camafeu da festa
tinha gosto de amarula,
que a marquinha da Gioconda
vem até o umbigo
e que o moço da cantina
quer namorar comigo.

Nicole Rodrigues

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Chacal


-- Tá tudo escrito.
-- Ah, é? E quem escreveu? 
-- Os discípulos. 
-- Discípulos? Bando de desocupados.
-- Vagabunda.
-- Vagabunda não. Ma-da-le-na! É diferente.
-- Ridícula.
-- Às vezes.
-- Insolente.
-- Acima de tudo.
-- Você vai queimar no fogo do inferno.
-- Por mim tudo bem.
-- Vou tentar te salvar. 
-- Perda de tempo.
-- Não me importo.
-- Nem eu.
-- Te adoro.
-- Eu também. 

E a gente ri. Um riso gostoso, como um abraço apertado, né Ricardo? :)

Nicole Rodrigues