sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Escriba


O que farei?
Com tanto papel,
com tanto rascunho,
com tanto testemunho

sobre segredos revirados do avesso;
infâmias, blasfêmias e pragas;
cartas sem endereço,
molestias, aflições e chagas...

Maldito estúpido errante,
tu me condenastes
ao risco,
ao traço,
ao rabisco...

Agora tenho um vício,
uma cólera:
sou escriba.
Nicole Rodrigues

Um comentário:

Nathy disse...

Fazer o que fez: bota para fora em forma de palavras...