sexta-feira, 31 de outubro de 2008

O cemitério das flores



Orquídeas defuntas espalhadas pelo vento;
girassóis cadáveres putrefatos a exalar o mau cheiro;
copos de leite decompostos mergulhados em valas;
folhas e galhos castigados pelo tempo...
 

- Ali o beija-flor não mais pousou
e até a Vitória Régia se afogou.
Nicole Rodrigues

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Borboletas no teto

 
I
Ningúem sabe que a noite eu desenho borboletas no teto
e que de dia eu abro as janelas porque não as quero por perto.

II
Será que borboletas voltam atrás?




Nicole Rodrigues

domingo, 19 de outubro de 2008

Sereníssima


 

Pobre de mim, que acreditei que o céu era mais perto
e que os anjos podiam me escutar...

Nicole Rodrigues

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Camundongo



Às vezes é preciso parar.
Conter o medo, a compulsão, a desorientação.
Respirar.

Às vezes é preciso parar
de construir paredes e fazer uso do chão.
Aproveitar o que já se tem.

Às vezes é preciso estreitar o laço,
cavar mais fundo e mais rápido
no mesmo lugar. 


Às vezes é preciso fazer um buraco do tamanho da vida
que já nasce finita.
Enraizar.


Nicole Rodrigues

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Cetim



Espatifo centenas de traças com a agulha do meu salto de cetim.


Nicole Rodrigues

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Engano


Em pleno século XXI
e ainda
é brutal

é cruel
é desumano
é desleal

é primário
é precário
é insano

Acho que Deus fez a mulher por engano.



Nicole Rodrigues

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Light my way


You only came first to light my way.

You,
my only,
my first,
my light,
my way.


Nicole Rodrigues