quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Corda bamba


Nunca ouvi alguém chorar daquele jeito.
Muito menos um bebê.
Um bebê mimoso e sonolento.
Todas as cordas vocais estremeciam por dentro.
Bambas de dor. Lançados ao avesso.
Não agüentei de pavor.
E, na beirada do berço,
chorei junto a ele. 

Nicole Rodrigues

Um comentário:

Vinicius disse...

E a ver-te a contemplá-lo
Eis que o cessa o choro
Do sonolento bebê,
Encantado ao vê-la ali
Com negros olhos abrilhantados.

"Tu que és poetisa tras inspiração a quem tenta sê-lo. Gostei do poema, da bela fotografia sua."

Com saudade, abraço-te.