terça-feira, 10 de agosto de 2010

Baú



Sinto como se não houvesse
espaço em minha memória
para te esquecer.

Então te guardo.
Te guardo como se engravidasse
de um filho que não quero ter.

Nicole Rodrigues


Um comentário:

Luiz Fernando "Mirabel" disse...

Olá, passando aqui e retribuindo a atenção dada ao meu Otário Involuntário!

Farley fala de você com freqência, através das leituras aqui apenas confirmo os elogios!

Sutileza no poema, como só uma mulher pode escrever.

Não nos percamos no oceano WWW!

Abraço!