sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

2011


Que o juízo nos guie e o bom-senso nos guarde nesse ano que está prestes a nascer.

Nicole Rodrigues

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Kilmarnock

E porque tudo é tão novo abalo sem fim
No embalo do trem
Que me leva para Kilmarnock

O verde do pasto
O pink da Lilly
O ovelha marfim

O de amarelo pede o ticket
O de azul pede licença
A poltrona roxa de cetim

O vinho chileno
O frango com polenta
O tiramsu de morango

O livro de Assis
O diário de Virgínia
A viagem de Jorge

A Bulgária é logo ali
Placa pra todo lado
Mas cadê o mapa?

Prisão de ventre
Dor de cabeça das bravas
Sonolência

Adormeço
Sonho pesado e denso
O dedilhar de um estranho me acorda

Agradeço
Deixo para trás os meus vagões
E desço.



Nicole Rodrigues

Peçonha



Esta noite eu sonhei contigo e com cobras. Por que cobras Virgínia? Tu não sabes que as odeio? Que tenho pavor?! Que corri como um trem a vapor quando as avistei na montanha do sul? Tudo menos cobras Virgínia. Tudo menos cobras.

Nicole Rodrigues

Nina



Pode me chamar de Nina... Simone. Gozando alto, rouco e ritmado.





Nicole Rodrigues


quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Miraluz


Uma alma machucada.
Uma rachadura bem no meio, no peito,
uma lasca, uma fresta, uma falta,
um choro engasgado na garganta seca,
uma raiva reprimida na boca do estômago,
uma noite de insônia na olheira que afundou,
uma tremedeira de frio
e outra de medo,
um cansaço de outro mundo
e uma vontade que não passa
de fugir desse.

Nicole Rodrigues

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Queda livre



Um bilhete caindo da janela
− homicídio ou suicídio?
Nicole Rodrigues

Inverno


Um titanic de pedra
esculpido entre as montanhas,
encalhado no tempo.

Nicole Rodrigues