quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Miraluz


Uma alma machucada.
Uma rachadura bem no meio, no peito,
uma lasca, uma fresta, uma falta,
um choro engasgado na garganta seca,
uma raiva reprimida na boca do estômago,
uma noite de insônia na olheira que afundou,
uma tremedeira de frio
e outra de medo,
um cansaço de outro mundo
e uma vontade que não passa
de fugir desse.

Nicole Rodrigues

2 comentários:

fdots disse...

belo poema, mas acho que eu não deveria ter lido ele nesse mês; dezembro é meio triste, a gente se sente meio oprimido pela obrigação de ser feliz porque é natal... estou tentando fugir disso esse ano.


estou tentando organizar os meus num blog, mas não sei se tenho tanto empenho pra isso.

Nicole Rodrigues disse...

Olá Fdots :-)

Que pena saber que esse poema lhe pegou meio de jeito, colocando o dedo em algum cicatriz...

Eu escrevo poemas para liberar as minhas dores e acabo esquecendo da dor dos outros (rs).

Não se sinta obrigada a ser feliz porque é natal, mas permita-se a chance de tentar ser feliz simplesmente porque é um dia a mais a ser vivido.

Tente fazer coisas que vc gosta, com pessoas que vc gosta, quem sabe assim o baixo-astral vai embora. Se ficar sozinha lhe parecer uma melhor opção: tente ao menos se dá a chance de fazer apenas o que te agrada: coma a sua comida favorita, ouça suas músicas favoritas, assista a filmes e programas favoritos... e aproveite a sua própria companhia.

Fique bem.

xxx