sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Mina mente minha



Você pergunta para onde vou
Quando meu corpo ainda nu
Coberto pelo teu
Se mostra quieto e distraído

Um pensamento,
um sonhando acordada,
um desejo,
um relampejo?

Para onde vou?
Quando meus olhos ignoram os teus
e dão mais atenção ao inseto curioso,

de aspecto impreciso.

Uma dúvida,
uma certez,
uma curiosidade,
uma válvula de escape?

Para onde vou?
Quando as palavras me minam a mente

e me faltam na boca.

Um código secreto,
um portal,
um voto,
um decreto?

Para onde vou?
Quando fujo em pensamentos
do aconchego dos teus braços.

Uma viagem,
uma alucinação,
uma dor de cabeça,
uma premonição?

Para onde eu vou
não cabe mais um.
Para onde você vai
eu também posso ir?
Nicole Rodrigues

Um comentário:

Nathy. disse...

Uauuuu!
Lindo, lindo, lindo como todos os seus poemas, que tem uma carga emocional fortissima.

Fã, sempre fã, mesmo sem vir aqui com muita frequencia quanto gostaria.

Lindonaaa.