domingo, 23 de janeiro de 2011

Violet



Não sei por onde começar.

O luto premeditado tomou conta de mim. Sei que vou partir, mas tenho medo. Medo do dia em que baterei a porta com toda a raiva e tristeza que me mantêm acordada nas noites insones que eu havia reservado para o descanso e para o amor. Mas todas as manhãs eu acordo sem os dois. E, cabisbaixa, passo o dia a evitar os espelhos...

Meu corpo encolhido sob as cobertas de lã que não me protegem do inverno nem de mim mesma. Garganta e coração gelados queimando por dentro: uma agonia nova, mas não menos dolorida.

Eu voltaria para casa... se ainda tivesse uma.


Nicole Rodrigues

2 comentários:

Andrea disse...

Ando com receio das palavras... escritas, pensadas, faladas... acho-as tão transparentes... revelam tanto... como vc pôde(pode) enfilerá-lás tão bem???
Voltar??? Pra onde???

Nicole Rodrigues disse...

Pois é, pra onde, minha cara, pra onde? Não tem volta. Só me resta continuar...

:-)

p.s. que bom vê-la por aqui.