sábado, 21 de maio de 2011

Herdeira



I
Os meus dedos da mão são iguaizinhos aos seus.
Ao observá-los escrevendo essa elegia eu choro
de saudade do pouco tempo que passamos juntos
e do muito que passamos separados.


Lembro das risadas e das brigas,
da rabugice e dos assobios,
das sandálias de couro e dos passos rápidos.


Eu já sabia que estavas prestes a partir
mas não sabia o quanto iria doer.
E a teimosia que herdei de ti
e que antes me assombrava
agora é o que me fortalece.


II
Ontem à noite, quando me visitaste em sonho,
eu já sabia.


Os teus olhos tristes e o abraço demorado
diziam tudo.


Quisera eu nunca ter acordado
para poder te abraçar para sempre.

Nicole Rodrigues

Nenhum comentário: