domingo, 11 de dezembro de 2011

Cura


Quando foi que passei a sentir medo?


E a cura por onde anda?
A largos passos
                                                                já vai lá na frente
e não há quem a alcance.

Nicole Rodrigues

2 comentários:

Vinicius disse...

E se a cura for a poesia que verte de teu ser feito um fulgente sol que aquece e dá vida?

Saudade. Abraço

Luciana Mendonça disse...

profundo Nicole! ñ sabia q também era poetiza!