sábado, 25 de abril de 2015

Eu, você, o barista e o diabo


Eu, você, o barista e o diabo
Numa noite ensolarada.
Na sala com tapete e vista pro nada.

Uma gota de tinto aguça os sentidos.
Sussurros, risadas e gemidos 
Ouvidos de longe e ao pé do ouvido.

Anseios escondidos na nuca, 
Nas coxas, na curva
Dos seios, 

Tesouros revelados 
Com a ponta da língua 
E dos dedos,

Delírios indizíveis, 
Invisíveis, no canto dos labios
E na caverna mais funda
Do corpo que inunda. 

Um gole do latte cremoso 
E um abraço custoso selam o amanhecer 
De quem quis amar, 
E amou, sem poder.

Nicole Rodrigues

Nenhum comentário: